Janeiro Roxo: mês de combate a Hanseníase

No dia 30 de janeiro deste ano, será celebrado o Dia Nacional de Combate e Prevenção da Hanseníase. Com o objetivo de conscientizar a população sobre os sintomas e a existência de tratamento para essa doença, tão estigmatizada e negligenciada, criou-se o “Janeiro Roxo”. 

O Brasil é o segundo país com maior número de casos de Hanseníase no mundo, ficando atrás somente da Índia. Em nosso país, ocorrem cerca de 30 mil novos casos da doença por ano. A enfermidade, antigamente conhecida como Lepra, ainda traz o preconceito e a discriminação. Isso ocorre pela generalizada falta de informação da população a seu respeito.

No passado, as pessoas que tinham Hanseníase eram afastadas da sociedade e encaminhadas para centros de tratamentos, conhecidos como “leprosários”, onde permaneciam isoladas para o resto da vida, sem contato com os familiares. Isso acontecia, pois não existia medicamento eficaz. Hoje em dia, a situação é completamente diferente. Os pacientes não precisam ser internados e excluídos da sociedade, pois existe tratamento eficaz, inclusive fornecido gratuitamente pelo governo.

A doença, infectocontagiosa, é causada por uma bactéria chamada Mycobacterium leprae. O homem é a única fonte de transmissão, tal qual acontece por meio do ar, por gotículas de saliva e aerossóis eliminados pelas vias aéreas. O contágio ocorre somente por contato íntimo e prolongado com uma pessoa doente e os sintomas podem demorar em torno de cinco anos para aparecer, pois o bacilo se reproduz muito lentamente. Um dado importante: somente 10% das pessoas não nascem com defesas naturais contra a bactéria. 

Os sinais e sintomas são manchas na pele (brancas, avermelhadas ou acastanhadas) associadas à diminuição ou ausência de sensibilidade tátil, térmica e dolorosa; fraqueza muscular; sensação de formigamento; inchaço e dor nas mãos e pés; choque, fisgada e dormência nos nervos acometidos; perda de pelos em algumas áreas; feridas e ressecamento no nariz; pele seca; febre e mal-estar. Caso apresente algum deles, é importante procurar um dermatologista. Quando não tratada, a Hanseníase pode causar sequelas progressivas e permanentes, incluindo deformidades, redução ou perda de movimentos e até mesmo mutilações.

Seu controle é desafiador, pois existe uma dificuldade, inclusive pelos profissionais da área de saúde, por falta de conhecimento, em se fazer o diagnóstico precoce. Além do estigma já citado, que precisa ser enfrentado e modificado, pois existe tratamento. 

Nós do Vera Cruz Hospital oferecemos todos os instrumentos para a detecção por meio da consulta com o dermatologista, que faz o exame clínico de avaliação das manchas, palpação dos nervos, teste de sensibilidade térmica, tátil e dolorosa e a biópsia de pele, se for necessária. Feito o diagnóstico, o paciente é encaminhado ao Posto de Saúde Municipal para ser tratado. O tratamento é feito com antibióticos, fornecidos pelo governo (que devem ser ministrados uma vez por mês, sob supervisão de um agente de saúde, no próprio posto, e o restante, tomados diariamente em casa), e o seu uso pode variar de seis a 12 meses. Logo no início, a doença já deixa de ser transmissível. 

É importante acabar com o preconceito e procurar assistência médica, pois o tratamento precoce é a única forma de evitar danos nos nervos e sequelas irreversíveis. 

(*) Dra. Juliana Chaib Ferreira Jorge Padilla é Dermatologista do Vera Cruz Hospital.

(Foto: Juliana Chaib Ferreira Jorge Padilla/Crédito: Divulgação)

Sobre o Vera Cruz Hospital

Em 78 anos de existência, o Hospital Vera Cruz é reconhecido pela qualidade de seus serviços, capacidade tecnológica, equipe de médicos renomados e por oferecer um atendimento humano que valoriza a vida em primeiro lugar. O Vera Cruz dispõe de 154 leitos distribuídos em diferentes unidades de internação, em acomodação individual (apartamento) ou coletiva (dois leitos), UTIs e maternidade. A Instituição conta também com setores de Quimioterapia, Hemodinâmica, Câmara Hiperbárica Monoplace, Radiologia (incluindo tomografia, ressonância magnética, densitometria óssea, ultrassonografia e raio x), e laboratório com o selo de qualidade Fleury Medicina e Saúde. Em outubro de 2017, a Hospital Care tornou-se parceira do Vera Cruz. Em quatro anos, a aliança registra importantes avanços na prestação de serviços gerados por investimentos em inovação e tecnologia. Em médio prazo, o grupo prevê expansão no atendimento com a criação de dois novos prédios erguidos na frente e ao lado do hospital principal, totalizando 17 mil m² de áreas construídas a mais. Há 34 anos, o Vera Cruz criou e mantém a Fundação Roberto Rocha Brito, referência em treinamentos e cursos de saúde na Região Metropolitana de Campinas, tanto para profissionais do setor, quanto para leigos, e é uma unidade credenciada da American Heart Association. O Hospital é aprovado pela Organização Nacional de Acreditação em Nível de Excelência e em abril conquistou o Selo de Excelência em Boas Práticas de Segurança para o enfrentamento da COVID-19.

Fique bem informado dos acontecimentos do dia dia e sobre assuntos que somente aqui são abordados e destrinchados para você leitor estar sem bem informado e consumindo conteúdo de qualidade em nosso portal de conteúdo. Seja bem vindo ao Jornal Agora Brasil e fique a vontade

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

quatro × um =