NFT: você sabe o que é?

NFT é a palavra do momento, isso porque essa tecnologia que surgiu a partir do blockchain tem movimentado o mercado e reorganizado o conceito de identidade. 

Podendo ser aplicada para qualquer objeto, como uma bolsa social para casamento, a inteligência está fortemente ligada com o campo das criptomoedas e tem atraindo investidores bilionários, que viram no ativo uma leve perspectiva de como será o futuro.

Surgindo em 2014, o primeiro NFT foi desenvolvido por um artista, Kevin McCoy, e um empreendedor, Anil Dash, que revolucionaram o evento de arte que acontecia no Museu de Arte Contemporânea de Nova York com a obra “Quantum”. 

Porém, engana-se que o trabalho desenvolvido era uma pintura física ou escultura. O famoso Quantum nada mais é que uma animação com formato de um octógono.

De 2014 até agora, o termo foi se fortalecendo, e atualmente movimenta o mercado digital e atrai a atenção de grandes empresas e personalidades. 

O que é um NFT?

Para começar a entender esse conceito, o primeiro passo é traduzir a sigla, que está em inglês, para o português. Assim, NFT (Non-Fungible Token) significa “token não fungível”. 

Sendo assim, NFT é um token, um dos elementos do universo digital que expressa um elemento em um símbolo tecnológico, como é o caso do ticket de um show, dinheiro,  desenho de uma sala reunião pequena e até mesmo de uma música.

Esse token, ou seja, essa representação é registrada na famosa blockchain, uma importante inteligência que mantém a segurança sobre o componente evitando fraudes, pois armazena todas as transações que são realizadas pelos usuários.

Dessa forma, quem é dono de um token de um salão especializado em micropigmentação sobrancelha ruiva, consequentemente possui concessão sobre o salão físico.

E é basicamente assim que funciona um NFT, porém, diferente de outros tokens, ele é único, melhor dizendo, não fungível, que de acordo com a lei, significa que não pode ser substituído por nenhum outro elemento, mesmo que seja da mesma espécie, característica ou valor. 

Para ficar mais claro, basta pensar na seguinte situação: o arroz de uma dona de casa acabou na hora do almoço e não podendo ir ao supermercado, ela decide pedir emprestado um quilo para a vizinha. 

Mais tarde, quando chega da feira, a dona de casa retorna na casa de quem lhe emprestou o arroz e devolve o mesmo tanto do cereal que foi emprestado. 

Nessa situação, o arroz é classificado como um bem fungível porque ele possui a mesma quantidade, espécie e qualidade do outro alimento. 

Assim, NFT é a simbolização de um elemento específico, podendo ser físico ou digital. Suas principais características são:

  • Liquidez;
  • Volatilidade;
  • Riscos;
  • Exclusividade.

Visto que um bem infungível, como é o caso do NFT, é aquele que não pode ser substituído, pois possui características, qualidade e quantidade únicas, como é o caso de um poema, música, pintura artística e até mesmo os conhecidos memes. 

Adquirindo um NFT

No ano de 2021, muitos itens exclusivos foram vendidos como ativos digitais, como é o caso de memes que fizeram história, tweets, desenhos digitais e muitas outras peças que acabaram movimentando US$ 25 bilhões globalmente.

E quem deseja fazer parte de novas movimentações, que tendem a subir, é preciso procurar por marketplaces que sejam específicos para esse tipo de venda. Atualmente, há mais de seis plataformas direcionadas para a transferência de ativos.

Porém, é preciso ter cuidado para não cair nas armadilhas digitais e sofrer um golpe na hora da transação. 

Pois, como os NFTs possuem um alto valor, muitos golpistas aproveitam da situação para se beneficiarem. 

Assim, é preciso ficar atento e fugir das ciladas, os três principais golpes nesse negócio são:

NFT plagiado ou adulterado

Essa é uma artimanha muito comum e quem já tem uma certa vivência nesse meio sabe, principalmente, porque qualquer pessoa pode colocar na criação do NFT os elementos que achar necessário.

Assim, o roubo acontece da seguinte maneira: o vendedor, que nesse caso é o golpista, faz uso de imagens ou qualquer outro elemento que já está circulando na internet há muito tempo e repassa como se fosse o dono original. 

Conhecido pelo público e até mesmo pelo comprador, este item logo chama a atenção e é adquirido. 

Porém, ele nada mais é do que uma reprodução falsa do objeto original, que pode ser qualquer imagem. festa de casamento de luxo, por exemplo. 

Uso do phishing 

O nome é complicado, mas já faz parte do meio digital há bastante tempo, sendo um dos mais antigos golpes. 

No caso dos ativos digitais, tanto os vendedores quanto os compradores precisam ter uma conta na plataforma de marketplace, fornecendo, portanto, os seus dados e outras informações.

É justamente aí que o phishing age, pois ele se manifesta como um pop-ups, mensagens que aparecem na tela, solicitando que esses usuários verifiquem suas informações. 

Com isso, muitas pessoas acabam fornecendo seus dados e perdendo criptomoedas e NFTs adquiridos.

Fakes e catfishing 

Para vender NFT e atrair usuários, uma das ferramentas de marketing é a contratação de pessoas famosas para fazer a divulgação. 

A partir disso, os golpistas se aproveitam desse fato para criar perfis falsos, como se fosse uma celebridade, para conversar com outros usuários. Mas, essa simples conversa pode acabar levando a grandes perdas.

Por isso, há uma espécie de código de ética e segurança no meio para que pessoas importantes, como famosos e grandes empresários, só se comuniquem inicialmente com outros usuários via rede social ou aplicativos específicos. 

Como tudo é possível no mundo digital e é muito difícil descobrir quem é a outra pessoa atrás da tela do computador ou celular, é preciso ter cuidado com as interações e sempre pesquisar sobre o outro usuário. 

Criando um NFT

Como foi dito anteriormente, muitos elementos podem se tornar um NFT, como o gif de uma dança ou desenho de medalhas personalizadas metal. E para criar um, é muito fácil, pois não é necessário instalar nenhum programa. 

Assim, a primeira coisa a se fazer é acessar a carteira virtual, depositar criptomoedas, permitir que a carteira seja conectada com o marketplace e selecionar a opção criar. Pronto, agora é só autenticar na própria plataforma o processo.

Para que todo o procedimento seja um sucesso, aqui vão mais algumas dicas:

  1. Estudar sobre os tokens não-fungíveis;
  2. Saber a distinção entre Crypto Art e NFT;
  3. Ficar atento com os usuários;
  4. Analisar as tendências.

Tendo essas indicações como referência, será mais tranquilo e até mesmo mais fácil conquistar um público e se destacar no ramo, basta ter paciência e atenção.

Como vender um NFT?

Brindes corporativos de luxo, gif, uma mensagem e muitos outros elementos podem ser vendidos como NFT. 

Porém, para encontrar um vendedor é essencial que alguns passos sejam seguidos. 

O primeiro deles é criar o seu próprio ativo virtual, ação que pode ser feita nas plataformas de marketplace. 

Depois, é indicado que uma comunidade seja criada, ou seja, é importante chamar a atenção de outros usuários para que eles tenham interesse no produto. 

E essa atenção pode ser conquistada de algumas formas, como com a distribuição de NFTs de edição limitada. 

Após se fazer presente na plataforma e dar uma “amostra” do seu NFT, chegou a hora de divulgá-los. Para isso, muitos fazem uso das redes sociais, principalmente para ter comunicação e feedback com outros usuários. 

No geral, a venda de um NFT não se resume apenas em colocá-lo em um marketplace, também é essencial que o vendedor desenvolva estratégias de marketing para conquistar um público e se tornar referência no mercado. 

Por exemplo, uma imagem com o passo a passo da aplicação de um alongamento de cílios híbrido é criado e logo torna-se um ativo virtual. 

Para ser vendido rapidamente e por um bom preço, o vendedor pode criar vídeos sobre essa imagem e explicar sua importância nas redes sociais.

Considerações finais

Sendo assim, a tecnologia está avançando cada vez mais e criando um universo que aparentemente pode parecer distante e desconhecido.

Entretanto, que já faz parte do mundo concreto, integrando a sociedade com vários tipos de elementos que, aos poucos, promovem transformações. 

No caso do NFT, é inegável que esses ativos moldaram uma nova forma de conceber e respeitar os direitos autorais, protegendo a extensa criação de conteúdo, seja ela JPEG, música ou outros tipos de áudio, vídeos ou outros elementos. 

Além desses pontos, tem permitido que empreendimentos e pessoas desenvolvam novas ideias, já que pode ser utilizada por qualquer usuário, consultório de massoterapia, por exemplo.Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Fique bem informado dos acontecimentos do dia dia e sobre assuntos que somente aqui são abordados e destrinchados para você leitor estar sem bem informado e consumindo conteúdo de qualidade em nosso portal de conteúdo. Seja bem vindo ao Jornal Agora Brasil e fique a vontade

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dezoito − quinze =